Dom Casmurro

Confissão de Adultério

Em nome de um amor Casmurro

Eu volto a conjugar verbos, mas me enxergo cada vez mais desejando colocar o passado no futuro. Só pra ter de novo o prazer daquela gargalhada, de te ver lutando por mim e me chamando na janela. Mas por estar presa aos encantos e desencantos, que me faziam felizes de maneira independentes, coloco-me a disposição do destino, só que não consigo largar o volante… Apesar de passiva, tenho me comportado como um agente extremamente ativo em toda a situação que diz respeito a nós dois. Mas, no fim das contas, não sou eu que decido o nosso “sim” de cada dia.

(mais…)

Sobre o Romantismo…

Se houve alguém nesse mundo que foi capaz de se eternizar, esse alguém foi o nosso grande escritor Machado de Assis. Descrevendo tantas personalidades, duas ficaram cravadas: Bentinho e Capitu, que viveram um amor intenso, mas não eterno. Maravilhoso, que terminou na desgraça da incredulidade, da saudade e, principalmente, da dúvida.

O amor dos dois já nasceu banhado pelo medo: alguém poderia impedir. E se não desse certo? Se a distância separasse os dois… se. Bentinho se desenvolveu e tornou-se um homem casmurro, o Dom Casmurro, que temia o tempo inteiro que cada segundo fosse convertido em distância da sua amada. Na realidade, um dos dois não soube amar. E nunca poderemos dizer quem foi o verdadeiro culpado.

(mais…)

Capitu em 5 atos

capitu

Apresento-lhes a obra de Machado de Assis contada através de um mundo lúdico, porém realista. Como em primeira pessoa, a adaptação obedece igualitariamente as páginas do livro de Assis. De início é possível perceber uma mistura de épocas, confundindo prazerosamente os séculos e nos exibindo de imediato quem iria narrar a história que ali se iniciara.

Bentinho ou, se preferir, Dom casmurro nos leva à particularidade de sua vida e com uma linguagem irônica, rebuscada e debocha do passado e da sua atual existência, que logo nos faz premeditar seu fim trágico e melancólico  diante uma  maquiagem suja e preta escancarada no seu rosto.

O autor assiste à sua obra assim como nós, e atrás de cortinas teatrais está sempre a espera de alguma resposta ou do próximo capítulo. Não menos merecida do que a obra escrita no livro, esta, oferece-nos bem mais que palavras: cinema, teatro e ópera aos olhos nus.

casmurro2

A história é contada em 5 atos com tempos preenchidos e vividos simetricamente, sem direito a buracos vazios. A narração é interrompida, às vezes, para ser contada por danças mudas, o que nos faz apreciá-la com uma visão ainda mais fantasiosa. Mas a realidade com o mundo moderno aparece para chocar o telespectador. Nós, e o que talvez seria o certo para nos confundir ainda mais, serve também  para encontrarmos as respostas ainda menos.

O conto já seria por si só, algo bom de ser assistido, mas foi na música escolhida para protagonizar a história que lhe deu uma vida mais eterna aos nossos olhos e as canções mescladas por estilos fez do destino da obra um favor aos nossos ouvidos.

oficinas_0812_06

Capitu foi a coadjuvante do seu título dando chance à Dom Casmurro acreditar que seria o dono da sua história. E como as palavras não terminam, não seria aqui que as cortinas iriam se fechar, dando a Bentinho, ao menos agora, o direito à última frase por ora: “O destino não é só dramaturgo, é também o seu próprio contra-regra, isto é, designa a entrada dos seus próprios personagens em cena”.

Renata Cavalcanti